terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Indefinido I

Você surge como num sonho,
Eu pintei esse sonho,
Eu manipulei seus aspectos,
Eu manipulei meu coração,
E era realidade, forjada, implícita, indefinida.

Tudo se foi até a poesia,
Você me tira tudo,
Você me faz bem,
Você me faz mal,
Você me faz.

Um universo medíocre criei pra nós dois,
Eu esperava mais,
Mas, você é pouco,
Você é tolo.

Estou viciada,
Entorpecida pelo seu descaso,
Pelo seu sutil afeto,
Pelo seu desassossego.

Eu posso te deixar maluco, alienado,
Não confie em nada que vê,
Você é pouco,
Você é tolo.

Você é um presente que vem com o preço da loja,
É tão fútil, é tão inútil,
Eu quero abrir e eu vou,
E você sabe.

Você tem medo,
Ainda treme como vara verde,
Na sua falsa confiança,
Você só tem mesmo esperança,
Seu coração está explodindo como uma supernova no céu,
Que cai direto e completo em mim.

Eu não sou prepotente,
Eu estou consciente,
De que você é pouco,
Você é tolo,
Você tem medo de se perder,
Eu tenho medo de me surpreender.

3 comentários:

  1. lindo poema bela morena, gostei muito

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Ainda assim não consigo gostar dessa poesia.Ela é feia em estética e além disso parece vulgar, carece de linguagem lapidada e culta. Creio que esta postagem será removida posteriormente.
    Me parece qualquer coisa menos poesia.

    ResponderExcluir